Saber Viver- de Cora Coralina

Não sei… Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura… Enquanto durar

Biografia de Cora Coralina

Ana Lins dos Guimarães Peixoto nasceu em 20 de agosto de 1889, na Casa Velha da Ponte. Filha do Desembargador Francisco de Paula Lins dos Guimarães Peixoto e Jacita Luiza do Couto Brandão. Cora, ou Aninha (apelido para seu nome de batismo), estudou apenas até a terceira série primária. Aos 14 anos escreveu seus primeiros contos e poemas. A poetisa apareceu no cenário literário local na adolescência, quando participou, com outras escritoras locais, da elaboração do jornal A Rosa, em 1907. Em 1910, aos 21 anos de idade, escreveu o conto Tragédia na Roça, que foi publicado no Anuário Geográfico e Histórico, assim, tornou-se conhecida por vários críticos da época pelo pseudônimo Cora Coralina que passou a fazer uso neste meio.É dessa primeira fase de sua vida que Cora extraiu as memórias que compõem a maior parte de seus poemas. É como Aninha que Cora se auto-nomeia e é através de seus olhos inquietos de criança que surgiria um futuro olhar poético.

• Cora Bretas

Em 1910 Cora se casa com Cantídio Bretas. Em 1911, parte, já grávida de sua primeira filha, para São Paulo. Nessa fase de sua vida, Cora assume o papel de mãe e dona de casa, entrando em uma nova etapa de sua vida. Cora teve 6 filhos e ficou 45 anos morando no estado de São Paulo. Cantídio faleceu em 1934. Já viúva, aos 67 anos de idade, voltou à sua cidade natal.

Cora Coralina morou nas cidades de Jaboticabal, São Paulo, Penápolis, Andradina. Nunca voltou a Goiás durante esse tempo. Em Jaboticabal , Cora Coralina trabalhou, com sucesso, comercializando flores (principalmente rosas); também participou da criação da Assistência Beneficente Social de Jaboticabal, fundada pela Associação das Damas de Caridade; em São Paulo, abriu uma pensão – considerando que ela cozinhava bem e tinha contatos na cidade; em Penápolis, se envolveu com a venda de vários tipos de mudas de árvores, o que contribuiu para campanhas pró-arborização nas cidades vizinhas, e com comércio de tecidos e aviamentos. Ainda em Penápolis, sua vida foi ligada ao Santuário São Francisco de Assis, onde ela se sentiu plenamente integrada aos valores franciscanos; em Andradina ficou conhecida por todos devido a sua ligação com a terra. Dona de um sítio conhecido como Casinha Branca em Castilho (um pequeno vilarejo ao lado de Andradina), ela fez um bonito nome de chacareira, vendendo verduras, legumes e lingüiça de porco feita e temperada por ela mesma.

• Cora Coralina

Sua poesia tornou-se conhecida e valorizada, nacionalmente, principalmente depois de publicados os dizeres de dois escritores sobre sua pessoa: Osvaldino Marques – escritor maranhense, que escreveu o artigo ‘Cora Coralina, professora de existência’, na década de 70, e Carlos Drummond de Andrade, que na década de 80, lançou a famosa mensagem pública declarando ser ela a pessoa mais importante de Goiás. É nesse momento que Cora Coralina surge como escritora.

Seu primeiro livro só foi publicado em 1965, aos 76 anos. É uma história de vida contada na perspectiva de uma mulher que, só no fim da vida, encontrou na poesia o devido espaço para expressar, com singularidade, suas percepções sobre o tempo em que viveu. Ela se mostra, principalmente neste momento de sua vida, uma mulher independente nas idéias e atitudes.

Cora Coralina faleceu em 10 de abril de 1985, em Goiânia, tendo sido o seu corpo levado para Goiás, onde se encontra no Cemitério São Miguel. Sua poesia permanece mais viva do que nunca, na memória de muitos que admiram a sua história.

Quando eu morrer, não morrerei de tudo.
Estarei sempre nas páginas deste livro, criação mais viva
Da minha vida interior em parto solitário.

(Vintém de cobre ‘Meias Confissões de Aninha’
, p.52, 8°ed., 1996)

Fonte: site Associação casa de Cora Coralina

http://www.casadecoracoralina.com.br/

About these ads

17 thoughts on “Saber Viver- de Cora Coralina

  1. Ameiii o que li aqui sobre Cora,pois, até então nada sabia além de que ela foi ou pelo que vejo ainda é, por permanecer na literatura, na poesia melhor expressando, uma grande escritora, mas somente isso, o que ja era muito rss…
    Mas, agora conhecendo um pouquinho da sua linda história até intrigante… eu decidi conhecer mais,e olha agora me compliquei porque cada dia me apaixono por um poeta diferente, assim como é que vou me concentrar em um só para desenvolver meu trabalho (monografia) rss…

    bjos e parabéns!

  2. Adoro poesia e poesia feita por mulheres me toca mais. Eu tambem só conhecia Cora Coralina como escritora e nada sabia da historiade vida dela. Agora a admiro mais ainda por saber que era uma mulher à frente do seu tempo, que viveu sem ter medo de enfrentar a vida, um exemplo pra nós mulheres. Parabéns pelo blog, amei …

    • Sim, é muito bom quando aprendemos um pouco mais sobre as histórias das nossas escritoras brasileiras. Parece que alimentam as nossas próprias histórias.
      Muito obrigada.
      Um beijo grande,
      Débora Almeida

  3. sou apaixonada por cora desde minha infancia quando assisti caso verdade que contava sobre sua vida. moro no rio e quero muito que seu nome e sua historia seja simbolo de determinacao e esperanca.

  4. Tenho admiração extrema pela obra dessa mulher forte, sábia, firme, simples e especial. Tudo que ela deixou tem seu legado, seu encanto, seu fascínio… A poesia de Cora é rústica, com raízes firmadas nas suas verdades e vivências e nos seus aprendizados. Em mim, vive uma Aninha como a dela…cheia de sonhos, cheia de amores…

  5. mulheres fortes e a frente de seu tempo me fascina, Cora Coralina foi uma delas, seus versos nos remete a sentimentos ínfimos e cheios de sonhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s