Resenha de Sete Ventos. Melanina Acentuada

10482318_1003907746315484_5200317874228485966_o

Emocionada, a plateia do Teatro Dulcina aplaude o espetáculo de pé

Essa foi a resenha feita por Luciano Maza sobre o espetáculo Sete Ventos, apresentado no Melanina acentuada.

A contadora de mulheres

Sobre “Sete Ventos” na Mostra Nova Dramaturgia da Melanina Acentuada

 Por Lucianno Maza

 O que é a Mostra Nova Dramaturgia da Melanina Acentuada senão um espaço precioso para que todas as etnias possam ouvir as histórias das vidas e/ou das bocas negras? Sim, um ponto de encontro do pensamento e da memória para refletir sobre nossa contemporaneidade carregada de resquícios do passado e em plena transformação por um futuro de maior equidade entre os povos. Esses três tempos surgem em “Sete Ventos” que se resulta no acontecimento-agora da teatralidade.

 Chamam ‘griots’ os contadores de história na África. Em uma cultura transmitida pela oralidade, esses personagens das sociedades tribais são os responsáveis por entreter e fazer sonhar, mas também por transmitir valores e tradições que afetam o pensar e agir dos homens. Débora Almeida é a ‘griot’ desse espetáculo sobre cidadãs negras sob o signo de Iansã, vai ao mitológico africano para emergir em histórias dos cotidianos de luta dessas que carregam na cor e no sexo a exclusão e a força para arrebentar-se dos estereótipos.

A contadora de mulheres já começa confrontando seus ouvintes-espectadores. “Como é meu cabelo?” “Como é meu nariz?” “Como são meus lábios?” Evoca o fenótipo inescapável que tanto parece condenar a um destino no mundo. Seja na honesta reflexão pura sobre o alisar dos cabelos afros ou na arregimentação para uma invasão negra pelo poder e dinheiro ao bairro de classe média alta, a mulher negra surge em sete raios inspirados em depoimentos de figuras reais. Entre as histórias perpassam o abandono, a batalha, os anseios e também a felicidade.

Em cena, a ‘griot’ Débora Almeida nos encanta em suas falas. Com domínio e segurança, transita do humor à firmeza, passando por certa metateatralidade em seu discurso, tudo acompanhado por um corpo vívido e voz plena. Como crianças que pedem mais uma história e outra antes de dormir, ao final de “Sete Ventos” ficamos com o desejo de ouvir mais do que Débora Almeida tem a contar.

*Retirado do site Melanina Acentuada: http://www.melaninaacentuada.com.br/#!a-contadora-de-mulheres/upo3b

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s