Débora Almeida em entrevista ao CULTNE NA TV

No dia 16 de julho foi exibido o programa CULTNE NA TV com Débora Almeida sendo entrevistada por Ricardo Brasil. No programa, que também está disponível on line, Débora falou sobre o seu trabalho em teatro, o processo do espetáculo Sete Ventos e mulheres negras.

Segue o link com a entrevista completa:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Lançamento do Livro Iansã de Helena Theodoro

Foi lançado na Livraria da Travessa, nessa segunda-feira, dia 16 de março o livro Iansã, de Helena Theodoro.  O livro faz parte da Coleção Orixás, da Editora Pallas, que propõe revelar lendas, a origem mitológica, as cores, os símbolos, os assentamentos, os traços psicológicos dos seus filhos de santo.

Helena Theodoro é doutora em Filosofia pela UGF, autora dos livros “Os Ibejis e o Carnaval”, “Mito e Espeiritualidade”.

Iansã, orixá feminina que representa os ventos. Ela é a tempestade, a mulher que traz o movimento e que equilibra o poder feminino com o masculino junto a Xangô. Iansã, caçadora, guerreira, mulher. Iansã pela fala de Helena Theodoro: “os mais velhos contam que as pessoas que são partículas da energia de Iansã são muito vivas, irriquietas, tendo o prazer de exercer uma profissão, apesar de serem ótimas administradoras de um lar. São também pessoas generosas que se preocupam mais em serem mais doadoras do que receptoras. São também guerreiras e perfccionistas.”

Sinopse: “Oyá recebeu, de Olorun, a missão de transformar e renovar a natureza através do vento. O vento nem sempre é tão forte, mas, algumas vezes, forma-se uma tormenta, que provoca muita destruição e mudanças por onde passa, havendo uma reciclagem natural. Normalmente, Oyá sopra a brisa, que, com sua doçura, espalha a criação, fazendo voar as sementes, que irão germinar na terra e fazer brotar uma nova vida. Além disso, esse vento manso também é responsável pelo processo de evaporação de todas as águas da terra, atuando junto aos rios e mares. Esse fenômeno é vital para a renovação dos recursos naturais, que, ao provocar as chuvas, estarão fertilizando a terra.

Em Iansã, rainha dos ventos e tempestades, a pesquisadora Helena Theodoro relaciona o poder dessa orixá com a luta e as conquistas das mulheres negras no Brasil. Neste mais recente volume da Coleção Orixás, encontramos as referências à presença de Iansã em nosso dia a dia, como um símbolo social da independência de todo um povo.”

Fui lá e tive a oportunidade de conhecer de perto essa importante mulher. Inteligente, bem humorada, simpática e necessária ao mundo. Convidei para a próxima temporada de SETE VENTOS (porque eu não sou boba) e saí com o meu exemplar autografado.

Como amo, adoro e respeito Iansã, posso ficar horas e páginas a falar sobre o seu mito. Deixo aqui minha homenagem às mulheres negras, às mulheres brasileiras, às nossas ancestrais que estão dentro de todas nós.